Notícias

Estudo descobre como sincronizar suas ondas cerebrais com as de um bebê

 

Segundo uma pesquisa da Universidade de Cambridge (Reino Unido), quando um adulto faz contato visual com um bebê, suas ondas cerebrais se sincronizam, o que provavelmente favorece a comunicação e a aprendizagem.

Um artigo sobre a pesquisa, que também teve colaboração de cientistas da Universidade Tecnológica de Nanyang (Cingapura) e da Universidade de East London (Reino Unido), foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

 

Ondas cerebrais

Quando um pai ou uma mãe e uma criança interagem, vários aspectos de seu comportamento podem sincronizar, incluindo seu olhar, suas emoções e seus batimentos cardíacos. Neste estudo, os cientistas decidiram se aprofundar em uma sincronia menos estudada: a da atividade cerebral.

As ondas cerebrais refletem a atividade em grupo de milhões de neurônios, e estão envolvidas na transferência de informações entre regiões do cérebro. Estudos anteriores já mostraram que, quando dois adultos estão conversando entre si, a comunicação é mais bem-sucedida se suas ondas cerebrais estão em sincronia.

Os pesquisadores então realizaram um teste para explorar se os bebês podem sincronizar suas ondas cerebrais com os adultos também, e se o contato visual pode influenciar isso.

 

Primeiro experimento

A equipe examinou os padrões de ondas cerebrais de 36 crianças (17 em um primeiro experimento, e 19 em um segundo) usando eletroencefalografia, e compararam essa atividade cerebral com a de um adulto cantando canções infantis.

Na primeira experiência, a criança observou um vídeo de um adulto cantando. O adulto – cujos padrões de ondas cerebrais já haviam sido gravados – estava olhando diretamente para a criança, ou evitando o seu olhar enquanto ainda cantava, ou com a cabeça virada, mas ainda fazendo contato visual com a criança.

Conforme previsto, os pesquisadores descobriram que as ondas cerebrais dos bebês estavam mais sincronizadas com as dos adultos quando o olhar do adulto se encontrava com o do bebê. Curiosamente, o maior efeito de sincronização ocorreu quando a cabeça dos adultos estava virada, mas eles ainda faziam contato visual.

Os pesquisadores acreditam que isso é devido ao fato de que o contato visual parece altamente deliberado e, portanto, fornece um sinal mais forte para a criança de que o adulto pretende se comunicar com ela.

 

Segundo experimento

No segundo experimento, um adulto de verdade cantou para o bebê, enquanto olhava diretamente para a criança ou enquanto evitava seu olhar.

Desta vez, suas ondas cerebrais foram monitoradas ao vivo para ver se seus padrões estavam sendo influenciados pelos do bebê ou o contrário.

Como resultado, tanto os bebês quanto os adultos ficaram mais sincronizados com a atividade cerebral um do outro quando o contato mútuo dos olhos foi estabelecido.

Isso ocorreu mesmo que os adultos tivessem a oportunidade de ver os bebês o tempo todo, ainda que não fizessem contato ocular direto, e os bebês se mostraram interessados em olhar para o adulto mesmo quando estes evitavam o seu olhar.

De acordo com os pesquisadores, isso demonstra que a sincronização de ondas cerebrais não é apenas devido ao contato visual, mas sim a intenção compartilhada de se comunicar.

 

Comunicação

Para medir a intenção dos bebês de se comunicar, a equipe observou a quantidade de vocalizações (sons) que eles faziam aos adultos.

Conforme previsto, os bebês fizeram um maior esforço para se comunicar, emitindo mais vocalizações, quando o adulto fez contato ocular direto. Eles também faziam vocalizações mais longas se apresentavam maior sincronia cerebral com o adulto.

“Quando o adulto e a criança estão se olhando, eles estão sinalizando sua disponibilidade e intenção de se comunicar. Achamos que ambos os cérebros adultos e infantis respondem a um sinal de olhar ficando mais em sincronia com o parceiro. Esse mecanismo poderia preparar pais e bebês para se comunicar, o que também tornaria a aprendizagem mais efetiva”, sugere a principal autora do estudo, Dra. Victoria Leong. [MedicalXpress]